Como fazer o manejo de resíduos de papel de forma adequada?

O manejo de resíduos de papel é apenas um aspecto do universo de políticas sustentáveis postas em prática por setores governamentais, empresas privadas e pela população, em geral.

O propósito dessas políticas é produzir benefícios reais no âmbito da preservação ambiental. Podemos identificar três benefícios do adequado manejo de resíduos de papel nesse sentido:

  • redução da poluição ambiental em decorrência do descarte incorreto dos resíduos;
  • redução da demanda por recursos naturais, particularmente, no caso do papel, da derrubada de florestas de pino e eucaliptos para a extração da matéria-prima necessária para a produção do papel;
  • aumento do ciclo de vida da matéria-prima na economia.

Porém, podemos perceber que, em que pese a conscientização e boa vontade da sociedade, o manejo de resíduos de papel ainda não ocorre de forma satisfatória, basicamente em decorrência da falta de conhecimento das formas adequadas de realizar esse manejo.

Aprendendo sobre a coleta seletiva de resíduos de papel

Um dos grandes problemas nesse aspecto é a seleção incorreta do material, que compromete a qualidade do papel encaminhado para reciclagem, que sofre diversos tipos de contaminação, seja de resíduos químicos ou orgânicos.

É importante, portanto, que tenhamos à mão a lista abaixo para que possamos, em nossas empresas e residências, direcionar corretamente os resíduos de papel, fazendo uma coleta seletiva.

Vamos listar quais são os tipos recicláveis e não recicláveis de papel.

Papéis recicláveis

  • revistas;
  • jornais;
  • folhas de caderno;
  • aparas de papel;
  • formulários de computador;
  • caixas e caixotes de papel e papelão;
  • envelopes;
  • fotocópias;
  • rascunhos;
  • provas;
  • papel de fax;
  • cartazes;
  • embalagens tetrapak.

Papéis não recicláveis

  • papel carbono;
  • fita crepe;
  • etiquetas adesivas;
  • papel sanitário;
  • guardanapos;
  • papel sujo;
  • fotografias;
  • papéis plastificados;
  • papéis parafinados;
  • papéis metalizados;
  • fraldas.

Portanto, os papéis recicláveis devem ser separados num recipiente exclusivo e seco. Preferencialmente, o papel não deve ser amassado. Lembre-se disso, pois é um detalhe importante.

Deve ser evitado o contato do material reciclável com qualquer tipo de sujeira para preservar, inclusive, o seu valor comercial, já que você pode vender esse papel para empresas de aparas, principalmente se produzir grandes volumes desse material.

Caso esteja na região metropolitana de São Paulo, entre contato com as Aparas Macedo para solicitar um orçamento.

Trabalhamos com compra e venda de papéis, plásticos e outros resíduos sólidos.

Como fazer o descarte do papel não reciclável?

Quanto ao papel não reciclável, caso não haja uma forma de reaproveitá-lo, deve ser acondicionado separadamente para ser coletado pelos serviços de coleta de lixo.

Uma opção é destinar o papel não reciclável para compostagem agrícola. Como sabemos, embora seja um resíduo sólido, o papel é produzido com matéria-prima orgânica.

Pois há experiências bem sucedidas de uso de resíduos de papel no solo como adubo.

O fato de alguns materiais não serem recicláveis atualmente não quer dizer que não possam ser no futuro. Tudo é uma questão de surgirem tecnologias para isso. Há uma empresa de Israel que há anos trabalha num projeto para reciclagem de papel sanitário usado.

É ver para crer!

Gostou desse conteúdo sobre manejo de resíduos de papel?

Então sugerimos que você confira este vídeo como conteúdo complementar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *